Notícias
  
Paraná poderá colher safra de 37 milhões de toneladas de grãos
02.mar.2015 [seg]
Paraná poderá colher safra de 37 milhões de toneladas de grãos



O Paraná deverá colher uma produção de grãos entre 36,5 milhões de toneladas a 37 milhões de toneladas de grãos, durante as três safras plantadas no ano agrícola 2014/15. Essa projeção, que aponta para um aumento em torno de 2% em relação à colheita da safra anterior, foi elaborada pelo Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, considerando as estimativas de área e produção para o trigo, que será plantado em 2015, e às estimativas de plantio da primeira e segunda safra de grãos.
 
“Essa é uma projeção que poderá ser alterada pelo comportamento do clima e por problemas de logística, como estamos vendo com a greve dos caminhoneiros, que podem interferir diretamente na produção agrícola do Estado”, alertou o secretário da Agricultura, Norberto Ortigara.
 
A primeira estimativa de produção para o trigo, que será plantado este ano no Paraná, aponta para uma produção 8% maior que o ano passado, em torno de 4,1 milhões de toneladas, que pode ser a maior dos últimos tempos. No entanto, a área plantada poderá ser menor que o ano passado, em torno de 2%, indicando que o produtor paranaense continua apostando na tecnologia para elevar o rendimento das lavouras.
 
A mesma cautela do produtor que está sendo verificada no plantio de trigo também ocorre com o plantio de milho e feijão da segunda safra 2014/15, que está registrando reduções de área plantada. Mesmo assim, espera-se uma safra maior porque os índices de produtividade das lavouras estão se elevando, em função do alto nível de tecnologia adotado no Paraná.
 
A colheita da primeira safra de grãos de verão 2014/15 vem ocorrendo diariamente, contudo o ritmo é um pouco mais lento, o clima com sol pela manhã e parte da tarde não está permitindo que os trabalhos ocorram de forma rápida, mas as estimativas apontam para uma safra 6% maior. Para esse período, as previsões indicam que serão colhidas 21,9 milhões de toneladas de grãos, entre soja, milho e feijão, quase 1,3 milhão de toneladas a mais do que na safra anterior (2013/14), quando foram colhidas 20,6 milhões de toneladas, afirmou o diretor do Deral, Francisco Carlos Simioni.
 
SOJA - O bom desempenho dessa etapa da produção deve-se a uma reavaliação da safra de soja, que foi a maior produção da história, com um volume colhido de 16,7 milhões de toneladas. A estimativa inicial apontava para uma colheita de 17,1 milhões de toneladas, mas o volume foi reduzido por causa da falta de chuvas regulares que ocorreu no fim do ano passado. E, posteriormente, as lavouras sentiram o aumento das temperaturas registradas nesse início de ano, fatores que influenciaram na frustração das expectativas.
 
Segundo Marcelo Garrido, chefe de Conjuntura Econômica do Deral, o produtor que optou pela soja na safra de verão está sendo beneficiado na comercialização. Ao contrário de projeções, que vinham sendo feitas em todo o mundo, de queda no preço da commoditie, o fato é que no Brasil a valorização do câmbio está compensando em parte as perdas e o produtor está vendendo a soja em torno de R$ 60,00 a saca, que é um preço que remunera os custos de produção e ainda contribui com sua capitalização.
 
MILHO - O milho da primeira safra está com desempenho inferior à safra anterior, com redução de 15% na produção. A colheita no Paraná indica uma produção de 4,63 milhões de toneladas enquanto no ano anterior, no mesmo período, foram colhidas 5,44 milhões de toneladas. Segundo Simioni, há que se considerar nesse quadro que a primeira safra de milho vem apresentando uma tendência de redução há pelo menos oito anos-safras, com um ciclo de menor área plantada, menor produção e menor safra de milho. No verão, vem perdendo área para soja. Contudo, com o avanço da tecnologia e a alternativa de plantio entre janeiro/fevereiro, colheita entre junho/agosto e a comercialização entre setembro/janeiro, a concentração das vendas ocorre no período de entressafra, momento em que o mercado apresenta-se com preços mais sustentados.
 
SEGUNDA SAFRA DE GRÃOS - Apesar do bom desempenho da primeira safra de grãos, o produtor paranaense está mais cauteloso com o plantio da segunda safra este ano. Com o pé no freio, ensaia reduzir a área de plantio do feijão, milho e trigo em 2015. Mesmo assim, espera-se uma safra maior porque os índices de produtividade das lavouras estão se elevando, em função do elevado nível de tecnologia adotado no Paraná.
 
Segundo o Deral, espera-se colher em torno de 14,7 milhões de toneladas entre as lavouras de segunda safra e o trigo. Os técnicos acreditam que as estimativas de redução de área plantada ainda podem ser revertidas, dependendo da aposta do produtor que está aguardando ao máximo uma definição do mercado para o trigo ou para o milho. Essa aposta está mais favorável ao produtor do Norte e Norte Pioneiro do Estado, que está menos sujeito às influências mais danosas do clima. Em outras regiões a intensidade do frio é maior e pode ser mais prejudicial às lavouras.
 
FEIJÃO - A pesquisa do Deral, relativa ao mês de fevereiro, aponta para reduções de 16% na área plantada de feijão da segunda safra e de 2% na área plantada com milho da segunda safra.
 
A segunda safra de feijão está com 85% plantada. Apesar da redução de área, a produção estimada é 13% maior, podendo passar de 401.479 toneladas colhidas no mesmo período do ano passado para 453.719 toneladas que poderão ser colhidas este ano.
 
Segundo o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Alberto Salvador, o produtor está com dificuldades de entrar nas lavouras com as máquinas para fazer os tratamentos fitossanitários necessários por causa do excesso de chuvas. Esse quadro poderá afetar a qualidade do produto, observou.
 
Em relação à comercialização, o produtor está satisfeito com a manutenção dos preços em alta. O feijão de cores foi vendido em média por R$ 141,66 a saca com 60 quilos, em fevereiro, e por R$ 143,17 a saca em janeiro de 2015. E o feijão preto foi vendido em média por R$ 124,51 a saca em fevereiro e R$ 126,04 a saca em janeiro.
 
O milho da segunda safra está com 50% da área prevista plantada, principalmente nas regiões Oeste e Sudoeste. A área ocupada cai de 1,89 milhão de hectares na safra anterior (2013/14) para 1,86 milhão de hectares na atual safra (2014/15), com uma queda de 300 mil hectares. A estimativa de produção também cai de 10,36 milhões de toneladas colhidas no ano passado para 9,95 milhões de toneladas que poderão ser colhidas este ano.
 
De acordo com o engenheiro agrônomo Carlos Hugo Godinho, essa previsão também poderá ser revertida, dependendo do comportamento do produtor das regiões Norte e Norte Pioneiro do Paraná, se apostar no plantio de milho em detrimento do trigo. “O produtor está prorrogando o máximo que pode essa decisão, fazendo com que o plantio da segunda safra ainda fique em aberto”, disse.
 
Segundo Godinho, o produtor paranaense permanece indeciso entre plantar o milho da segunda safra ou o trigo porque não está sentindo segurança com a comercialização. Atualmente, está com cerca de 25% da safra de trigo do ano passado para vender, o que é regular para esse período de entressafra, mas está sendo remunerado pelo preço mínimo. “Como o mercado está pagando o preço mínimo durante a entressafra, o produtor analisa que dificilmente o preço será melhor no período de safra”, explicou o técnico.
 
Não é só o preço que pode influenciar na decisão do produtor, disse Godinho. Segundo ele, como houve um atraso no plantio e colheita da soja da primeira safra na região Norte do Paraná por causa do clima, pode ser que ele não consiga plantar o milho da segunda safra no período indicado e pode migrar para o plantio de trigo, afirmou.
 
Já os produtores de mandioca estão colhendo uma safra cheia, 12% maior em relação ao ano passado, mas estão enfrentando dificuldades no escoamento da produção. A estimativa do Deral indica que este ano devem ser colhidas 4,1 milhões de toneladas de raiz, quase 500 mil toneladas a mais que no ano passado quando foram colhidas 3,67 milhões de toneladas.
 
Ocorre que este ano todos os estados produtores de mandioca estão registrando elevação na produção, o que está provocando quedas no preço da raiz. De acordo com o economista do Deral, Methódio Groxco, o preço caiu de R$ 237,00 a tonelada para R$ 185,00 a tonelada do ano passado para cá. “Isso vem mobilizando produtores e indústrias que estão fazendo movimentos de paralisação de rodovias nas regiões Norte e Noroeste do Estado, que são as maiores produtoras”, disse o técnico.

Fonte: Agência Estadual de Notícias

Parceiros

Nenhum registro cadastrado.

Contato:
Maringá - PR (44) 3262-3300 Rod. PR 317, N° 916
vendas@usagro.com.br
Nexus Design
Webmail